Fluidos EV (para Veículos Elétricos) de Última Geração Vão Acelerar as Vendas de Baterias Para Esses Veículos

28.04.2020

Os fluidos de última geração para veículos elétricos estão prontos para ajudar a ultrapassar as principais barreiras para a adoção generalizada de veículos totalmente elétricos, os BEV (Battery Electric Vehicles). Sharbel Luzuriaga, nossa Gerente de Projetos, revela os resultados das últimas pesquisas de mercado de fluidos para veículos elétricos e explica como esses fluidos específicos de alto valor podem desempenhar um papel crucial na aceleração da adoção dos BEV.

 

A rigorosa diminuição dos limites de emissões de COe a pressão dos consumidores para uma condução mais sustentável e mais eficiente quanto ao consumo de combustível estão levando a montadoras de automóveis de passageiros a investir no uso de energia de outras fontes, além do petróleo. Embora a aceitação dos veículos híbridos (PHEV) que usam uma combinação de motor a combustão interna (ICE) com a tecnologia das baterias recarregáveis tenha sido forte, as vendas de veículos totalmente elétricos (movidos exclusivamente à bateria - BEV) continuam restritas no mercado automobilístico. A China é atualmente o maior mercado de veículos elétricos. Em 2018, houve a venda de aproximadamente 1 milhão de veículos de passageiros elétricos (EV), dos quais os BEVs representam cerca de 75% do total, enquanto os PHEVs (Plug-in Hybrid Electric Vehicle) são responsáveis pelo restante.

 

As previsões sobre o momento no qual ocorrerá uma adoção mais ampla variam muito, mas a maioria dos observadores da indústria concorda que os motores a combustão interna (ICEs) irão dominar o mercado nos próximos 30 anos ou mais. As nossas análises, baseadas nos cenários mais prováveis, indicam que mesmo nos principais mercados como o do Japão, da China e dos Estados Unidos, espera-se que os motores a combustão interna (ICEs) ainda representem mais de 60% da frota de veículos em 2040. Isto se refletirá no mercado de lubrificantes, no qual a demanda por óleos de motor e fluidos de transmissão para motores convencionais a combustão interna (ICEs) representará a maior parte das vendas em termos de volume.

 

Então, o que está impedindo a aceitação em massa dos carros movidos a bateria pelos consumidores? Atualmente, há três questões-chave: custo relativamente alto do veículo, longo tempo de recarga da bateria e autonomia limitada do veículo. Todas essas barreiras precisam ser superadas e, em nossa opinião, os fluidos EV serão uma parte importante da solução.

 

Embora os lubrificantes convencionais para motores a combustão interna (ICEs) sejam atualmente utilizados para a maioria dos veículos elétricos, em breve chegará um momento no qual eles terão dificuldades para atender aos requisitos de desempenho das tecnologias EV. É improvável que eles sejam capazes de oferecer as modernas propriedades elétricas e de refrigeração que os EVs do futuro exigirão, que irão além da lubrificação tradicional. Esses fabricantes especializados em fluidos EV, que podem ajudar a remover as três principais barreiras que atualmente impedem a adoção dos BEVs, terão lucros significativos nesse mercado em franco crescimento.

 

Uma nova dimensão de requisitos técnicos bastante desafiadores para veículos elétricos permitirá aos principais fabricantes de lubrificantes apresentarem suas tecnologias de ponta.

 

Removendo as barreiras para os EVs

 

1) Redução de custos

 

O preço mais elevado dos BEVs ainda é provavelmente o obstáculo mais significativo, até mesmo se pensarmos que o Tesla 3 básico tem preços a partir de US $50.000. Atualmente, o preço de compra mais alto está sendo compensado em algumas regiões por programas de incentivos e subsídios governamentais. Mas nos locais onde esses programas de benefícios ou subsídios são mínimos - ou quando eles se encerram - os OEMs (Original Equipment Manufacturers) precisam encontrar formas de aproximar seus preços aos preços dos veículos convencionais se quiserem atrair clientes.

 

Os fluidos EV podem ajudar a prolongar a vida útil da bateria e contribuir para reduzir a sua degradação térmica, o que, por sua vez, prolonga a vida útil do veículo. O sistema de gerenciamento térmico em veículos elétricos, particularmente nos BEVs, desempenha um papel vital na manutenção do equilíbrio entre o desempenho e a degradação térmica das baterias do veículo e pode ajudar a prolongar sua vida útil.

 

Os veículos elétricos utilizam normalmente baterias de íons de lítio que têm alta relação de peso-potência quanto a densidade de energia, longa vida útil e baixa taxa de autodescarga. A potência dessas baterias depende muito da eficácia do sistema de refrigeração utilizado para elas. As baterias geram calor quando descarregam e só podem manter um desempenho ótimo dentro de uma determinada faixa de temperaturas: normalmente entre 25°C e 40°C.

 

Embora os fluidos EV não possam reduzir diretamente o custo da bateria ao prolongar sua vida útil operacional e, portanto, também prolongar a vida útil do veículo, esses fluidos ajudam a reduzir o custo total do veículo ao longo do tempo.

 

2) Recarga mais rápida da bateria

 

Um carro elétrico pode levar várias horas para carregar totalmente sua bateria, usando um ponto de recarga doméstico. Este tempo de carregamento pode ser reduzido para menos de uma hora se forem utilizados carregadores rápidos. No entanto, a disponibilidade de pontos de recarga rápida atualmente é limitada, o que significa que os atrasos não planejados podem deixar os proprietários dos BEVs receosos quanto a serem ou não capazes de completar sua viagem.

 

Como a recarga rápida resulta em mais calor sendo gerado, é necessário que todo o sistema - desde a bateria, a eletrônica de potência e o sistema de recarga - seja ativamente resfriado.  Sistemas avançados de gerenciamento térmico com resfriadores EV personalizados e até mesmo fluidos de transmissão poderiam ser usados para ajudar a remover o calor de forma mais eficiente, permitindo sistemas de carregamento mais rápidos e reduzindo significativamente os tempos de recarga.

 

3) Autonomia ampliada

 

Uma das barreiras à adoção de carros elétricos é a sua limitada autonomia entre as recargas e a atual disponibilidade relativamente pequena de estações de recarga rápida. A autonomia média dos carros elétricos é de cerca de 180 milhas (cerca de 290 km), o que é suficiente para atender o uso diário da maioria das pessoas. Mas o medo de ficar sem carga na bateria é um problema que os OEMs querem resolver - alguns, como a Tesla, a Jaguar e a Mercedes, estão lançando modelos de longo alcance, afirmando que podem ter autonomia de até 375 milhas (aproximadamente 600 km), mas eles tendem a ter preços bem elevados.

 

Graxas lubrificantes, fluidos de transmissão, líquidos de refrigeração e óleos para o motor (no caso dos híbridos) podem ajudar a reduzir o atrito entre as partes em movimento (do motor do veículo), permitindo que os carros percorram maiores distâncias por recarga e assim fazendo com que a falta de infraestrutura seja menos preocupante.

 

Fluidos específicos para veículos elétricos devem oferecer excelente proteção contra o desgaste, absorção de calor, compatibilidade de materiais e propriedades dielétricas.

 

O futuro do mercado de EVs está inexoravelmente ligado ao desenvolvimento bem-sucedido de fluidos EV de última geração. Estimamos que até 2040, nos três mercados estudados (China, Japão e Estados Unidos), a frota de BEVs atingirá quase 240 milhões, dos quais mais de 80% desses veículos na China. Esse crescimento criará um mercado muito atraente para o os fluidos EV a serem usados no enchimento inicial pelos fabricantes. Se em termos de volume a China tem o potencial de ser o maior mercado para os fluidos EV - especialmente os de líquidos de refrigeração - os players desse mercado estão atualmente inclinados a usar os principais fluidos para atender os EVs. Entretanto, em outros mercados, como Japão, os Estados Unidos e a Europa, haverá demanda por fluidos que possam oferecer vantagens técnicas. Isso resultará no crescimento de nichos de mercado de maior valor nessas regiões, tanto para fluidos de transmissão como para graxas lubrificantes EV, ambos personalizados, visando atender às necessidades.

 

Na nossa opinião, o verdadeiro ponto crítico para os veículos elétricos poderá acontecer já em 2030.

 

À medida que o tempo avança e terminam os períodos de garantia dos veículos elétricos, os mercados de serviços e manutenção tanto para fluidos para transmissão quanto para líquidos de refrigeração também crescerão. Isso pode proporcionar oportunidades interessantes para as oficinas das concessionárias dos OEMs, uma vez que a tecnologia avançada dos sensores eletrônicos irá levar o motorista a retornar à concessionária para a troca dos fluidos. As oficinas independentes precisarão trabalhar duro para conquistar uma parcela desse mercado.

 

Ao abordar as três preocupações dos clientes que impedem a adoção em massa de veículos totalmente elétricos (BEVs), os lubrificantes e líquidos de refrigeração avançados desempenharão um papel importante ao facilitar a abertura de mercado para os BEVs. A curto prazo, este será um mercado basicamente de enchimento inicial pelos fabricantes, dominado pelas principais companhias petrolíferas que têm recursos suficientes de P&D para desenvolver as soluções de lubrificantes tecnologicamente avançadas que serão necessárias. A longo prazo, o mercado de serviço e manutenção de fluidos EV também se expandirá, proporcionando oportunidades que as oficinas poderão aproveitar.

 

O novo relatório de inteligência competitiva "New Electric Vehicle Fluids" ajudará a compreender a evolução do mercado de fluidos EV no contexto das emergentes tecnologias EV, bem como a penetração dessas tecnologias no mercado global e as necessidades de fluidos de cada uma delas.

 

Para mais informações, entre em contato com a Factor-Kline.

 

Fonte: Kline&Co.

Please reload

SIGA-NOS

  • LinkedIn - Grey Circle
  • Facebook - Grey Circle

CATEGORIAS:

ARTIGOS RECENTES: 

Please reload

© 2016 Factor-Kline

  • LinkedIn - Black Circle
  • b-facebook