Impactos do COVID-19 na Indústria de Ingredientes Farmacêuticos Biológicos

31.07.2020

 

O surto de COVID-19 fez com que o mundo tentasse utilizar todas as tecnologias conhecidas e disponíveis para o homem, em um esforço para monitorar e conter a doença.

 

Até agora, a maioria dos laboratórios de pesquisa e empresas farmacêuticas está colaborando, sendo a China o centro da maior parte das pesquisas em andamento. As formas atuais de tratar o COVID-19 incluem:

 

1. Uso de medicamentos e terapias já existentes que foram desenvolvidas para tratar outras doenças e testando sua eficácia contra o coronavírus, um de cada vez ou fazendo uma combinação de dois ou mais tratamentos

 

2. Desenvolvimento de novos medicamentos e realização de ensaios clínicos, tanto na fase de testes quanto diretamente em pacientes infectados. Como a história mostra, o desenvolvimento de um novo medicamento geralmente leva uma quantidade significativa de tempo, e este é essencial, considerando a alta taxa de propagação do coronavírus. No entanto, um benefício que os pesquisadores têm é o fato de que o genoma do COVID-19 já está mapeado e disponível para estudos adicionais. A complexidade no desenvolvimento de medicamentos para combater o coronavírus é assim simplificada, pois os medicamentos para combater os vírus baseados em RNA são muito mais fáceis de desenvolver.

 

A maioria dos medicamentos testados para o coronavírus são formulações químicas já existentes, como o Kaletra (usado no tratamento do HIV) e o Tamiflu (usado no tratamento da gripe); alguns são biológicos, como vacinas, anticorpos monoclonais, enzimas recombinantes e interferons (proteínas que glóbulos brancos produzem e estimulam a resposta de defesa da célula). No entanto, novos medicamentos que estão sendo desenvolvidos especificamente para atingir o COVID-19 consistem principalmente de produtos biológicos. Alguns exemplos incluem uma vacina baseada em proteína da GlaxoSmithKline, o medicamento IFX-1 (anticorpo monoclonal anti-C5a) de um dos ensaios clínicos da China e uma vacina de mRNA encapsulada da Moderna.

 

Além disso, os artigos de pesquisa publicados até o momento indicam que medicamentos antivirais usados ​​para tratar doenças anteriormente “muito mortais” como Ebola (Remdesivir), malária (Cloroquina), HIV (Lopinavir / ritonavir), SARS (APN01) e MERS (Remdesivir) podem muito bem ser "redirecionado" para tratar o COVID-19, por si ou em combinação com outros medicamentos. Todos esses tratamentos estão sendo testados em laboratórios.

 

Todos os medicamentos, sejam com formulações químicas ou biológicas, requerem excipientes ou ingredientes inativos no processo final de formulação do desenvolvimento do medicamento e fazem parte do medicamento final administrado aos pacientes. Exemplos de excipientes ou ingredientes inativos incluem estabilizadores e agentes de volume, intensificadores de solubilidade, surfactantes e adjuvantes de vacina.

 

Assim que um método de tratamento bem-sucedido for descoberto, a produção desse medicamento/vacina em particular ou a combinação de medicamentos aumentará exponencialmente, aumentando a demanda por excipientes necessários em sua formulação. No caso de uma entidade farmacêutica biológica ter sucesso, a demanda por ingredientes de bioprocessamento aumentará exponencialmente. Para uma molécula pequena formulada como um sólido oral, excipientes como a copovidona para ajudar a aumentar a solubilidade podem ganhar popularidade.

 

Nossos relatórios sobre aprimoramento biológico e de solubilidade fornecem insights técnicos e qualitativos relacionados ao desenvolvimento de medicamentos, bem como a perspectiva do mercado global de vários "ingredientes inativos" que estão sendo usados ​​para fabricar uma variedade de OSDFs e biofarmacêuticos.

 

Para mais informações, entre em contato com a Factor-Kline.

 

Fonte: Kline&Co.

Please reload

SIGA-NOS

  • LinkedIn - Grey Circle
  • Facebook - Grey Circle

CATEGORIAS:

ARTIGOS RECENTES: 

Please reload

© 2016 Factor-Kline

  • LinkedIn - Black Circle
  • b-facebook