CHINA E AS INDIES BRANDS NO MERCADO DE COSMÉTICOS PÓS PANDEMIA



Diferente de grande parte do mundo que continua lutando com os efeitos da pandemia COVID-19, a China conseguiu rapidamente retomar uma trajetória de crescimento.


No final de 2020, os gastos com bens de consumo de rápido movimento como : alimentos, cosméticos,bebida, no país se recuperaram espetacularmente, com a segunda metade do ano compensando totalmente os impactos negativos que COVID-19 teve nos primeiros meses de 2020. A China muitas vezes foi em contrapartida em relação ao resto do mundo com os resultados anuais baixos para grupos multinacionais de cosméticos. A L'Oréal, por exemplo, relatou um aumento nas vendas na Ásia de + 1,5% em 2020, em comparação com quedas de 9,2% e 8,8% na Europa Ocidental e na América do Norte, respectivamente. Estimado em US $ 55 bilhões em 2020 no nível de varejo e em um caminho de crescimento constante, o mercado de beleza chinês continua a ser altamente atraente.


No início da era pós-COVID, os consumidores chineses continuaram a buscar produtos de beleza exclusivos, particularmente em busca de tendências da Geração Z ( Nascidos entre 1995 e 2015) e millennials ( nascidos entre 1981 e 1994) respondendo por 330 milhões e 140 milhões de consumidores, respectivamente. Os consumidores da Geração Z surgiram como uma fonte de crescimento de mercado e impulsionadores de conceitos inovadores; ao mesmo tempo, a geração do milênio forma o núcleo do estilo de vida encontrado no Tmall( um site chinês para o varejo online b2c ,operado na China pelo Alibaba Group. É uma plataforma para empresas chinesas e internacionais locais venderem produtos de marca para consumidores na Grande China) e dos consumidores de beleza de luxo. Esses jovens consumidores estão constantemente em busca de novos e empolgantes produtos e marcas que possam ajudá-los a expressar sua individualidade - e são as marcas independentes que costumam ser as primeiras a responder a esses crescentes movimentos sociais e culturais.


Definidas como marcas de propriedade e operação independentes, as indies brands costumam adotar abordagens não convencionais, oferecendo novos produtos inovadores, formulações limpas ou outras formas de chamar a atenção desses novos consumidores.Essas marcas dominam fatores de sucesso, como posicionamento claro, construção da confiança do consumidor, financiamento / propriedade robustos e estratégias de entrada no mercado cuidadosamente consideradas. Muitos se destacam em seu mercado doméstico por compreenderem muito bem seu público-alvo, geralmente chamados de "comunidades".


Mas, apesar de suas abordagens aventureiras, muitas marcas de beleza indie ocidentais acham o mercado chinês intimidante, com desafios e chances que são muito diferentes de seus mercados domésticos. Além disso, muitos permanecem hesitantes devido aos regulamentos de testes em animais (a China continua sendo um dos poucos países do mundo a exigir testes em animais para produtos de beleza). A boa notícia: as recentes evoluções positivas dos testes em animais podem levantar algumas dessas preocupações e não ser mais uma barreira para explorar o potencial do mercado chinês. O comércio eletrônico internacional poderia fazer o mesmo. Por exemplo, a Tmall Global da Alibaba, posicionada como a plataforma de e-commerce B2C transfronteiriça mais significativa na China, afirma conectar mais de 25.000 marcas de quase 100 países com mais de 700 milhões de consumidores. A demanda por produtos importados por meio do comércio eletrônico internacional pode chegar a US $ 184 milhões em 2021, com produtos de beleza, cuidados com a pele, cabelo, corpo e cuidados pessoais em primeiro lugar. Marcas indie (ou ex-indie) como Fenty Beauty, Kora Organics, Huda Beauty, Drunk Elephant, Farmacy, OUAI e Smoothskin se beneficiaram das plataformas de e-commerce chinesas para desenvolver sua presença.


Quanto as indies brands chinesas locais, Kline identificou que os comerciantes de cosméticos, varejistas e compradores estão interessados ​​nessas joias de propriedade privada. Registrando um crescimento impressionante, essas indies normalmente superam o mercado total, oferecendo histórias exclusivas de produtos e ingredientes, combinadas com marketing digital atraente que ressoa com os consumidores de beleza de hoje. Florasis, lançada no Tmall como seu único canal de vendas, está posicionada como uma marca voltada para a moda. Ele incorpora ingredientes tradicionais chineses para chamar a atenção dos membros da Geração Z, já que os jovens estão cada vez mais interessados ​​na cultura tradicional chinesa. A Geoskincare, por sua vez, está posicionada para fornecer aos clientes produtos naturais formulados com ingredientes provenientes de áreas geotérmicas da Nova Zelândia. E o Red Earth incorpora conceitos de cuidados com a pele à base de plantas em produtos de maquiagem. Cada uma dessas marcas registrou um crescimento de três dígitos (2020 vs. 2019).


Enquanto a competição feroz entre os principais participantes continua a caracterizar a natureza da indústria, o volume recentemente publicado pela Kline no relatório Beauty Indies: Analysis of Booming Independent Brands identificou marcas como Colorkey, Dr Plant, Florasis, Judydoll , Little Dream Garden, Mask Family · 1908, MayCreate, MEIKING, Mo Amour, Red Earth e Unifon como potenciais viradores de jogo no mercado de beleza chinês. O relatório destaca os impulsionadores de vendas e crescimento, ofertas de produtos, novos lançamentos, atividade promocional, estratégia de preços e distribuição e uma perspectiva para cada uma dessas marcas. O volume dos Estados Unidos também está em andamento, com publicação prevista para o terceiro trimestre de 2021.


Para mais informações entre em contato com a Factor Kline através do número 11 3079-0792 ou o e-mail ( Vinicius@factorkline.com.br) ou acesse nosso site Factorkline.com.br

SIGA-NOS

  • LinkedIn - Grey Circle
  • Facebook - Grey Circle

CATEGORIAS:

ARTIGOS RECENTES: